sábado, 30 de dezembro de 2017

Veja o clipe de ‘For The Demented’, faixa que dá nome ao novo disco do Annihilator

Annihilator - Foto: Divulgação 

O Annihilator lançou disco novo em novembro e, com ele, o clipe da faixa que dá nome ao novo trabalho. O vídeo de “For The Demented” está disponível no YouTube e traz o grupo em mais uma performance comandada pelo mago das guitarras Jeff Waters.

O novo disco é o 16º de estúdio do Annihilator.
Sucedeu o álbum “Suicide Society”, lançado em 2015.
No trabalho novo de estúdio, a banda tem mudanças em relação à formação que gravou o disco anterior.

Daquele álbum, sobraram Waters, na guitarra e nos vocais, e o guitarrista Aaron Homma.

As mudanças em relação ao disco “Suicide Society” estão na bateria e no baixo. Na bateria, Fabio Alessandrini assumiu o lugar que foi de Mike Harshaw. No baixo, Rich Hinks está no lugar de Cam Dixon. O Annihilator fez ótimos shows quando veio ao Brasil nos anos de 2013 e 2012.

Veja abaixo o clipe de “For The Demented”.

Fonte: Rock Reverso 
FELIZ 2018

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Planet Hemp libera teaser de “A Vitória Não Virá Por Acidente”, novo documentário sobre a banda



O Planet Hemp divulgou o teaser de seu novo documentário, através de sua página no Facebook. Batizado de A Vitória Não Virá Por Acidente, o vídeo de cerca de um minuto contextualiza o momento da prisão da banda em 1997 pela acusação de apologia às drogas com manchetes de 2017 em que a Justiça autoriza o plantio da maconha para uso medicinal.

A prisão aconteceu em Brasília, na madrugada do dia 10 de novembro de 1997, logo após um show para sete mil pessoas. Numa época em que o debate sobre a legalização da maconha era torpemente criminalizado no Brasil, o grupo carioca foi alçado ao posto de “bode expiatório” por conta das letras críticas e diretas. Mas o tiro saiu pela culatra. Depois do ocorrido, o Planet Hemp ganhou ainda mais fãs, passou a vender mais discos e se projetou como uma das mais icônicas bandas do rock nacional dos anos 90.

O segundo documentário sobre a banda será lançado nesta sexta-feira (22). Em outubro deste ano foi divulgada a cinebiografia Legalize Já, que conta a história da formação do grupo.

Veja vídeo via Facebook: 

Abaixo tem "Legalize já"

Fonte: Portal Rock Line

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Rhapsody volta ao Brasil em Janeiro de 2018


Depois de uma turnê bem sucedida pela Ásia onde fez várias datas em países como o Japão, China, Coreia do Sul e Taiwan no final de novembro de 2017, a banda Rhapsody retornará ao Brasil com show mais do que especial. A primeira apresentação acontecerá no dia 7 de janeiro em São Paulo, no Tom Brasil. Na sequência, o Rhapsody segue para Argentina, Bolívia, Peru, Chile, Colômbia e México.

Atualmente o Rhapsody é formado por Fabio Lione (vocal), Luca Turilli (guitarras), Dominique Leurquin (guitarras), Patrice Guers (baixo) e Alex Holzwarth (bateria). “Depois de tantos pedidos de nossos fãs, que nos encontraram em todos os shows, nossos managers encontraram um tempo para planejar esta segunda turnê em toda a América Latina. Apresentaremos alguns shows épicos que você não pode perder por qualquer motivo e, mais uma vez, músicas que nunca tocamos antes. Também vamos tocar todos os nossos maiores sucessos!”, disse o vocalista Fabio Lione.

Nestes shows históricos e exclusivos, a banda tem apresentado um repertório bastante variado com músicas como ‘Emerald Sword’, ‘Wisdom Of The Kings’, ‘Knightrider Of Doom’, ‘Symphony Of Enchanted Lands’, ‘Dawn Of Victory’, ‘Lamento Eroico’ e ‘Holy Thunderforce’.

Neste show de São Paulo, o grupo convidado para abrir o evento será a banda Soulspell, liderada pelo baterista Heleno Vale. A banda Soulspell é pioneira no estilo Metal Ópera no Brasil. Seu show teatral conta com 7 vocalistas no palco, além de 5 instrumentistas. O Soulspell também tem em sua discografia 4 álbuns lançados mundialmente, “A Legacy Of Honor” (2008), “Labyrinth Of Truths” (2010), “Hollow’s Gathering” (2012) e “The Second Big Bang” (2017).

SERVIÇO
SÃO PAULO

Banda Convidada: Soulspell
Data: 7 de janeiro (Domingo)
Horário: 20h
Local: Tom Brasil – Endereço: Rua Bragança Paulista, 1281 – Chácara Santo Antônio, São Paulo
Ingressos:
Pista 1º lote – R$ 55,00 (meia entrada) e R$ 110,00 (inteira)
Pista Vip 1º lote – R$ 130,00 (meia entrada) e R$ 260,00 (inteira)
Cadeira Alta Vista Parcial – R$ 100,00 (meia entrada) e R$ 200,00 (inteira)
Camarote – R$ 140,00 (meia entrada) e R$ 280,00 (inteira)
Frisas – R$ 120,00 (meia entrada) e R$ 240,00 (inteira)
Online AQUI 


Fonte: Universo do Rock 
http://parnaibatotalrock.com/

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Hellfest 2018 acontece entre os dias 22 e 24 de junho


A edição de 2018 do Hellfest, um dos maiores festivais de metal da Europa, acontece de 22 a 24 de junho na cidade de Clisson, França. Com mais de 100.000 visitantes\dia, os ingressos combo para os 3 dias de festival já estão esgotados.

Na próxima edição o lineup com cerca de 150 bandas está matador e como headliners trará Avenged Sevenfold, Iron Maiden e Judas Priest.
 
O Hellfest foi um dos inspiradores do Maximus Festival que acontece no Autódromo de Interlagos, São Paulo, e teve a segunda edição em maio deste ano.
Mais informações: Hellfest 2018 



Fonte: Rock Brigade
http://parnaibatotalrock.com/

domingo, 17 de dezembro de 2017

Golpe foi dado por "velhos aristocratas", diz fundador do Ratos de Porão

João Carlos Molina Esteves, o Jão, falou sobre o movimento punk, política e projetos futuros 

“Foi um golpe de velhos aristocratas que não querem ver pobre em avião. Para eles pobre tem que andar de ônibus, tem que se foder, engraxar o sapato deles e servir a comida deles. Rui Barbosa dizia não se iluda com pessoas de cabelo branco, pois os canalhas também envelhecem”.

Com essa frase João Carlos Molina Esteves, 55 anos, ou simplesmente Jão, guitarrista do Ratos de Porão e do Periferia SA, resume o cenário político do Brasil após o golpe que colocou Michel Temer na presidência da república. Fundador da lendária banda criada em 1981 em meio a explosão do movimento punk no Brasil, Jão atendeu a reportagem do Porém.net horas antes de um show do RDP no Jokers Pub, em Curitiba.

A formação atual com Jão na guitarra, João Gordo no vocal, Boka na bateria e Juninho no baixo é a com mais longevidade ao longo dos 36 anos de carreira do Ratos. Depois de tantas mudanças de integrantes (13 no total), Jão diz que a tolerância e o respeito as individualidades de cada um tem sido a fórmula. “São três veganos e eu sou o açougueiro da banda”, brinca o guitarrista, que é um dos sócios do Underdog, um bar-restaurante em São Paulo especializado em carnes. O prato principal é a parrilla argentina.

Veia operária que permanece ativa no RDP, Jão falou da ascensão do fascismo, da extrema direita e personagens caricatos como Jair Bolsonaro, ao qual classifica como uma ‘toupeira’. “Tem um monte de filha da puta que tem orgulho de um cara deste. Devem se identificar pela toupeirice. Discuto nas redes sociais com esses babacas que acreditam que a terra é plana, que Hitler era comunista. Os Bolsominions da vida, esses escrotos que seguem MBL. Tem até punk que gosta de Bolsonaro. Um cara deste não está entendendo porra nenhuma”.

Esse cenário político atual deve inspirar o próximo projeto do Ratos de Porão, como antecipa o guitarrista. “Estamos terminando de compor, pois o momento do Brasil é bem propício. Motivo para fazer letra tem”. O último álbum lançado pela banda foi Século Sinistro, em 2014.
Confira a entrevista na íntegra:

São 36 anos de carreira. Como manter a mesma pegada, atravessando gerações de fãs?
O Ratos de Porão nunca criou expectativa de sucesso, de exposição em mídia. A própria correria foi mantendo a coisa viva. Não somos uma banda popular nem dentro do rock, mas temos um público fiel no mundo inteiro. Isso é gratificante. É legal você ver um cara da Sérvia, por exemplo, que vai no seu show e diz: escuto sua banda faz tempo. Tem isso e tem o fato da gente gostar do que faz, isso é o que mantém a banda viva. A gente vê muita banda que pinta e depois de um ano some. Vamos pegar um exemplo daquela época das bandas emo, o Restart. Os caras fizeram sucesso, talvez ganharam em um ano mais do que eu ganhei na vida inteira, mas os caras não conseguem viver sem aquilo, sem grana e as facilidades que o sucesso traz. A gente já teve exposição em mídia, o Gordo já foi apresentador da MTV, mas isso para o Ratos nunca foi um retorno positivo. Somos uma banda que veio do punk, então o fato do vocalista trabalhar na TV não trouxe sucesso, pelo contrário, trouxe cobrança ideológica. A banda sempre tentou manter-se a parte disso, inclusive o Gordo.

O Ratos passou por mudanças de integrantes e do som da banda. Fale dessas transformações e cobranças que receberam.
O lance da cobrança do estilo musical já foi pior, pois às vezes é difícil para algumas pessoas assimilarem. Queira ou não, o Ratos deu a cara para bater, deu um passo a frente, ninguém estava misturando punk com metal quando a gente começou. Da parte do punk sempre teve aquele lance dos caras torcerem o bico. O Ratos sempre fez discos diferentes um dos outros, sempre mantendo o estilo da banda. Óbvio que teve outros ingredientes que foram somados a nossa música, influências diversas também. Tem banda como ACDC, Motorhead, Ramones, Cólera, que podem ficar tocando a mesma coisa a vida inteira e se sentir bem com isso. Não é meu caso. Gosto de fazer coisas que sejam relevantes para mim em primeiro lugar.

E o que tem escutado?
Tem uns estilos que meio que doem no saco, bandas nessa linha tipo Slipknot, tem umas guitarronas e tal, maior visual maneiro, mas eu não consigo parar para ouvir. Não sei se estou ficando um velho chato. Quando eu pego coisa nova para ouvir é banda tipo Slayer, que lança sempre disco bom, Napalm Death, Testament, Exodus. Não são bandas novas, são discos novos. Citei o new metal, que o cara vai cantando meio ‘amorosozinho’ e depois vai ficando ‘raivosão’. Sei lá, prefiro ouvir um Johnny Cash.

Como é a relação com os demais integrantes do RDP?
Bem boa, viajamos junto para caralho. Viajamos mais juntos entre nós do que com as nossas famílias. Respeitamos as individualidades. Sou o único que não sou vegano. A gente tem nossa vida fora da banda e ninguém fica andando junto para lá e para cá. Fora do lance do Ratos, cada um tem sua vida e é bem diferente a vida de cada um. Isso é bom, pois na época lá de atrás, quando a gente do Ratos andava toda hora junto, tinha mais treta. Na época do Jabá [ex-baixista e um dos fundadores 1981-1993], do Spaghetti [ex-baterista 1981 a 1991]. A gente era jovem, louco para caralho, a banda tinha mais exposição. Quando a gente fez o Brasil [álbum lançado em 1989], a gente estava em gravadora grande, saía em revista, éramos um bando de punk louco sem noção. Era mais complicado, pois isso acaba desgastando.

Foto: Gibran Mendes 

Seu pai tinha uma oficina de pintura de carros, você trabalhou de motoboy, com Kombi em transportadora. Podemos considerar o Jão, a veia operária do Ratos?
Pode se dizer que sim. Hoje eu tenho um bar, que a especialidade é carne, a parrilla argentina. Isso criou uma piada dentro da banda de que o Ratos criou um açougue. Três são veganos e eu sou o açougueiro da banda. Venho de família operária, o rock me deu muita coisa, mas nunca me deu luxo. Consegui criar minhas filhas, viver e criá-las honestamente. Criar filho com rock no Brasil é meio foda, ainda mais com um som do tipo do Ratos.

Qual a diferença dos projetos e dos públicos do Ratos de Porão e do Periferia SA.?
O público do Ratos é mais eclético. Vai desde o pessoal do punk, do hardcore, do metal, até uns perdidos que falam que é a banda do João Gordo. Já o Periferia é algo mais direcionado musicalmente, não é tão eclético. Fazemos um punk de protesto, hardcore old school. Essa é a nossa pegada. Muita gente que não vai no show do Periferia, vai no show do Ratos. E tem gente que vai no Periferia e não gosta do Ratos.

Vocês foram precursores do punk no Brasil e na época havia rivalidade entre os punks de São Paulo (capital) e do ABC. Fale desse período.
Era uma treta de gangue bairrista, uns se achavam mais punk que os outros. Quando entrei no punk eu nunca tinha ido para o ABC. Pelo fato do ABC ter as empresas multinacionais, as indústrias, tinha muito punk working class, mais tinha muito skinhead, aquele lance nacionalista. E isso também era motivo de briga. No fundo acho que todo mundo gostava de brigar e de ter uma treta. Eu particularmente, o Jão, nunca tive nada com os caras. Eu até achava que tinha umas bandas do ABC bem mais fodas que as de São Paulo, tipo o Áustria. Quando teve o Começo do Fim do Mundo [festival punk em 1982], no Sesc Pompéia, foi tenso, pois juntou todo mundo, juntou punks de São Paulo e do ABC pela primeira vez. O clima era de que iria dar merda. Os caras do ABC achavam que a gente era playboy, mas não tinha playboy, a gente era da periferia de São Paulo. Subúrbio e periferia é tudo a mesma coisa, gente excluída da sociedade. Hoje já tem o lance ideológico, do tipo: sou vegano e não ando com você, sou anarcopunk e não ando com você, sou crust e não ando contigo.

Foto: Gibran Mendes 

Quais as histórias mais bizarras que lembra nestes 36 anos?
Coisas bizarras acontecem sempre. Mas tem umas coisas que são bem loucas, se puxar no Youtube vai achar lá “Ratos: bolt of love”, a gente tocando em um barco do amor em um lago na Finlândia. A gente tocando e o barquinho chacoalhando. Esse ano fizemos uma turnê latino-americana em lugares que nunca tínhamos ido. Costa Rica, El Salvador. É louco ver que a gente tem público lá. Na Bolívia, por exemplo, teve um show com uns moleques que tinham umas camisetas escritas Ratos de Porão a mão, pois os moleques não tinham dinheiro para comprar e acho que nem chegava nosso material lá. Isso é louco, pois remete a minha adolescência. Tinha umas camisetas escritas “vida ruim”, “Ratos de Porão”. Me identifiquei para caralho. Hoje, mesmo com esse mundo globalizado, tem um monte de excluído. Se marcar está pior. A evolução é relativa.

Em 1989 vocês lançaram Brasil, com clássicos como Amazônia Nunca Mais, Farsa Nacionalista, Máquina Militar, Crianças Sem Futuro. Trace o Brasil de 1989 e o Brasil atual?
O momento atual do Brasil como sociedade está bem estranho. Não sei até que ponto as redes sociais influenciaram nisso. Hoje em dia tem um monte de filha da puta eleitor do Bolsonaro que tem orgulho disso, orgulho de um cara que é a maior toupeira. Se identificam pela toupeirice entre o candidato e o eleitor. Discuto nas redes sociais com uns babacas que acreditam que a terra é plana, que Hitler era comunista. O mundo tem muita informação hoje, na minha época você tinha que correr atrás da informação. Era através de livros, livro te salvava. Hoje os idiotas compram ideias prontas. A política no Brasil está bizarra, a eleição do ano que vem é um negócio temeroso. As opções são brutas, até Luciano Huck tentaram lançar. Depois do golpe, pois isso foi um golpe, um golpe de velhos aristocratas que não querem ver pobre em avião. Para eles pobres tem que andar de ônibus, tem que se foder,  engraxar o sapato deles, servir a comida deles. Olha o Temer, eu desejo muito mal para esse verme filho da puta. Onde está aquela galera que estava fazendo dancinha na Paulista pintado? Onde está essa gente? Essa galera não está se sentindo enganada? Não é possível, o preço da gasolina para mim é o mesmo que para eles. Olha esse lance trabalhista [reforma trabalhista], eu não sou empregado, mas no meu bar eu tenho várias pessoas registradas. Eu não concordo com isso ai e não vou fazer isso com os caras que trabalham para mim. O bagulho foi um crime, um roubo, uma exploração.

E o Dória?
Putz, o Doriana é triste hein malandro! Os caras pensaram que ele iria colocar todo mundo de camisa polo Ralph Lauren na escola, caviar na merenda, vai vendo. O cara é um patife, um marqueteiro. Nunca cuidou nem da conta corrente dele, não sabe administrar nada. É capaz de um bosta deste tentar ser candidato. Quem votou no cara lá em São Paulo não quer dar o braço a torcer, assim como a galera que apoiou o golpe. Os caras tem tipo orgulho, jamais vão admitir que estão errados. O cara burro não admite nunca, ele vê que a gasolina está mais de quatro contos, vê os direitos trabalhistas roubados, vê professor não ganhando salário, mas não admite a merda toda. Pega o Alckmin, outro patife da pior espécie. Já dizia Rui Barbosa, “não se iluda com pessoas de cabelo branco, pois os canalhas também envelhecem”.

Foto: Gibran Mendes 


A repressão, a violência policial, sempre estiveram nas letras do Ratos. Diante do atual cenário, para onde podemos caminhar?
Acho preocupante todo esse lance de repressão. Eu sempre posto lá [Facebook], a polícia militar tem que acabar, porque esse formato aí é da ditadura. Estamos no mesmo nível daquela época, vai professor protestar porque não está ganhando salário e leva bala de borracha, spray de pimenta no olho. Quando eu posto isso sempre vem os Bolsominions dizer: “quem tem medo de polícia é bandido (sic)”. Essas frases prontas. Não sou bandido, mas sou cabreiro com a polícia sim.

Quando o Ratos estava prestes a completar 30 anos foi lançado o documentário Guidable. Recentemente vocês fizeram um show com outras bandas, como Resto de Nada, Mercenárias, AI-5, em comemoração aos 40 anos do punk rock. E para os 40 anos do RDP, o que vislumbrar?
Quando o Ratos fez 30 anos eu juntei quase todo mundo que tocou no Ratos, faltou só o Pica Pau [ex-baixista 1995 a 1999]. Era para ter saído um DVD disso ai. Contamos a história da banda através da discografia com as formações da época. Mas deu merda no áudio e desistimos de lançar. Sobre os 40 anos têm quatro anos para gente pensar, mas vamos comemorar de alguma forma sim.

Vocês estão no estúdio compondo?
Estamos terminando de compor, mas cada um tem sua vida, seus projetos paralelos, mas estamos querendo fazer disco novo por aí, pois o momento do Brasil é bem propício. Motivo para fazer letra tem. O Ratos sempre foi chato com a gente mesmo neste lance de composição. A gente vai gravar o disco na certeza que tem que estar legal. A gente prefere demorar um pouco mais para lançar um disco ao invés de fazer um bagulho nas coxas.

Nestes 36 anos de banda, se pudesse voltar no tempo, o que faria diferente?
Não fumaria crack. Isso atrasou meu lado, perdi amigos. Vida pessoal ficou na merda, devendo para traficante. Mandamos o Jabá embora da banda, que era o fundador junto comigo. Esse tipo de coisas. Essas cagadas se eu não pudesse fazer seria bem melhor. Foi uma fase bem crítica, não sei como a banda não acabou e até conseguiu produzir coisas.


Edição: Gibran Mendes 
Via: Brasil de Fato

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Roger Waters volta ao Brasil em outubro de 2018 para shows em 7 capitais

Roger Waters - Cartaz da turnê "Us + Them" 
Roger Waters voltará ao Brasil para mais uma turnê em outubro de 2018. O ex-integrante do Pink Floyd trará a turnê “Us + Them” para sete capitais do País: São Paulo, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Rio, Curitiba e Porto Alegre.


Em São Paulo, Roger Waters tocará no dia 9 de outubro no Allianz Parque, a Arena do Palmeiras; em Brasília, no dia 13, no Estádio Mané Garrincha; e, em Salvador, no dia 17, na Itaipava Arena Fonte Nova.

Em Belo Horizonte, vai se apresentar no dia 21 de outubro no Estádio Mineirão; no Rio, no dia 24, no Maracanã; em Curitiba, no dia 27, no Estádio Couto Pereira; e, em Porto Alegre, tocará no dia 30 no Estádio Beira-Rio.

A turnê de Waters combina clássicos do Pink Floyd e novas canções de seu trabalho solo.
Músicas do seu mais recente álbum “Is This the Life We Really Want?” também farão parte dos shows no Brasil.

Para o público em geral de São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, as vendas começam dia 14 de dezembro, a partir de 00h01 pela internet, no site da Tickets For Fun, e às 10 horas nas bilheterias oficiais (Citibank Hall, em São Paulo; no Km de Vantagens Hall BH, em Belo Horizonte;e no Km de Vantagens Hall RJ, no Rio de Janeiro), sem taxa de conveniência, e pontos de venda espalhados pelo Brasil.

Já para o público em geral de Brasília, Salvador, Curitiba e Porto Alegre, as vendas começam no dia 15 de dezembro, a partir das 00h01 pela internet no site da Tickets For Fun e às 10 horas nas bilheterias oficiais (na Fnac Park Shopping, em Brasília; na Itaipava Arena Fonte Nova, em Salvador; na Fnac, em Curitiba; e na Bilheteria Sunset do Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre) e pontos de venda espalhados pelo Brasil.

Clientes cartão Elo contarão com pré-venda exclusiva entre os dias 11 e 13 de dezembro, começando às 21 horas do dia 11 de dezembro pelo site da Tickets For Fun e às 10 horas do dia 12 de dezembro nas bilheterias oficiais e pontos de venda espalhados pelo Brasil. A pré-venda exclusiva para clientes cartão Elo termina às 21 horas, do dia 13 de dezembro.

Para o show em São Paulo, a capacidade estimada na Arena do Palmeiras é de 45.500 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium custam R$ 810,00. Para a Pista Comum, saem por R$ 380,00. A Cadeira Inferior terá entradas ao preço de R$ 550,00 e a Cadeira Superior custará R$ 330,00.

Quanto à apresentação em Brasília, a capacidade estimada no Estádio Mané Garrincha é de 54.390 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium custam R$ 720,00. Para a Pista Comum, saem por R$ 340,00. A Cadeira Inferior terá entradas ao preço de R$ 490,00 e a Cadeira Superior custará R$ 240,00.

Para o show em Salvador, a capacidade estimada na Arena Fonte Nova é de 56.000 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium e para o Lounge Premium custam R$ 710,00. Para a Pista Comum e Setor Norte Inferior, saem por R$ 300,00. Os setores Leste Inferior e Oeste Inferior terão entradas ao preço de R$ 420,00 e os setores Leste Intermediário e Norte Intermediário custarão R$ 260,00. O setor Superior, por sua vez, terá o preço de R$ 180,00.

Quanto à apresentação em Belo Horizonte, a capacidade estimada no Estádio do Mineirão é de 51.000 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium custam R$ 720,00. Para a Pista Comum, saem por R$ 340,00. A Cadeira Inferior terá entradas ao preço de R$ 490,00 e a Cadeira Superior custará R$ 300,00.

Para o show no Rio de Janeiro, a capacidade estimada no Estádio do Maracanã é de 66.400 pessoas. Os ingressos inteiros vão custar R$ 720,00 para a Pista Premium e R$ 340,00 para a Pista Comum. A Cadeira Maracanã Mais (Leste e Oeste) terá o ingresso no valor de R$ 720,00. A Cadeira Inferior Leste e a Oeste têm ingressos a R$ 490,00. A Cadeira Superior Leste e a Cadeira Inferior Sul tem entradas no valor de R$ 300,00; e a Cadeira Superior 2 Sul e a Cadeira Superior Nível 5, por R$ 220,00.

Quanto à apresentação em Curitiba, a capacidade estimada no Estádio Couto Pereira é de 41.480 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium custam R$ 720,00. Para a Pista Comum, saem por R$ 340,00. A Cadeira Social terá entradas ao preço de R$ 390,00, a Cadeira Pro Tork custará R$ 490,00 e a Arquibancada, R$ 220,00.

Para o show em Porto Alegre, a capacidade estimada no Beira-Rio é de 48.517 pessoas. Os ingressos inteiros para a Pista Premium custam R$ 765,00. Para a Pista Comum, saem por R$ 360,00. A Cadeira Inferior terá entradas ao preço de R$ 500,00 e a Cadeira Superior custará R$ 250,00. A Sky Box e a Cadeira Premium terão valor de ingresso de R$ 540,00.

Clientes cartão Elo poderão parcelar seus ingressos em até 8 vezes durante o período da pré-venda e terão este benefício estendido até 31 de dezembro de 2017. A partir de 1º de janeiro de 2018, poderão parcelar seus ingressos em até 3 vezes.

Já os clientes dos demais cartões poderão comprar seus ingressos a partir da abertura de vendas para o público geral com parcelamento em até 6 vezes até 31 de dezembro de 2017. A partir de 1º de janeiro de 2018, poderão parcelar seus ingressos em até 2 vezes.

A turnê “Us + Them” marca o retorno de Roger Waters para o Brasil desde 2012, quando esteve no país com a turnê The Wall Live (2010-2013), que foi vista por mais de 4 milhões de fãs ao redor do mundo, em 219 shows. A histórica apresentação de São Paulo, no Estádio do Morumbi, contou com a cobertura da imprensa do mundo inteiro.



Informações do Roque Reverso
http://gabrielhammer.blogspot.com.br/
 

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Jimi Hendrix: novo álbum com gravações nunca antes lançadas sai em março

 
Em 9 de março, a Experience Hendrix e a Legacy Recordings, divisão de catálogo da Sony Music Entertainment, lançam Both Sides of the Sky, um novo e dinâmico álbum de canções de Jimi Hendrix, com 13 gravações de estúdio feitas entre 1968 e 1970 - 10 nunca antes lançadas. O álbum será lançado em vários formatos, incluindo CD, digital e vinil.

Both Sides of the Sky é o terceiro volume de uma trilogia de álbuns destinados a apresentar as melhores e mais significativas gravações de estúdio que fazem parte dos arquivos de Hendrix. Começando com Valleys of Neptune (2010), que alcançou as dez maiores classificações de vendas em quinze países (incluindo o quarto lugar do Top 200 álbuns da Billboard), seguido de People, Hell and Angels (2013), que atingiu o segundo lugar do Top 100 álbuns da Billboard. Somewhere, principal faixa do álbum, alcançou o cobiçado primeiro lugar da lista dos melhores singles da Billboard e foi a maior posição de uma música do legendário guitarrista nas listas americanas.

"Desde que a Experience Hendrix começou a restauração do catálogo de músicas de Jimi Hendrix, em 1997, nosso objetivo foi apresentar essas importantes gravações aos fãs do cantor na melhor qualidade possível. Estamos empolgados por ter conseguido isso. Também nos esforçamos para gerar lançamentos de álbuns que apresentem essa incrível música em seu contexto apropriado", explica John McDermott, um dos co-produtores do álbum, ao lado de Janie Hendrix e Ediie Kramer.

Gravado entre janeiro de 1968 e fevereiro de 1970, Both Sides of the Sky mostra que o desejo de Jimi de empurrar os limites do blues pode ser ouvido por toda parte. O álbum também destaca o domínio de Jimi sobre a produção de estúdio e seu crescente uso dessas instalações como um terreno de experimentações para novos sons, materiais e técnicas. Muitas das faixas do projeto foram gravadas pelo trio que viria a ser conhecido como Band of Gypsys: Jimi na guitarra e vocais, Billy Cox no baixo e Buddy Miles na bateria. Para a primeira sessão de gravação, em 22 de abril de 1969, Hendrix voltou-se para sua compartilhada raiz musical, o delta blues.

A até então inédita reformulação de Mannish Boy, de Muddy Waters, com batidas aceleradas, abre o álbum e define o ritmo para o que se segue. Lover Man era um original favorito de Hendrix, que o guitarrista estava determinado a entregar em uma master finalizada. As tentativas anteriores da Experience ainda não o haviam conseguido, mas o esforço de dezembro de 1969 da Band Of Gypsys - completo com sua homenagem à popular música tema de Batman - foi a melhor tentativa até a data.

Hear My Train A Comin apresenta o baterista Mitch Mitchell e o baixista Noel Redding da formação original da Jimi Hendrix Experience. Esta composição blues tornou-se um elemento básico nos shows de Hendrix. A inédita gravação de abril de 1969 capturou o furioso poder e a tensão dinâmica que tornaram a música tão memorável. As gravações anteriormente inéditas de Stepping Stone, Jungle, Cherokee Mist (que traz Hendrix na guitarra elétrica e no sitar), bem como a gravação de janeiro de 1968 de Sweet Angel são outros dos destaques.

Both Sides of the Sky também traz uma variedade de notáveis músicos convidados. Stephen Stills fez amizade com Hendrix no Pop Festival de Monterey em junho de 1967. Em setembro de 1969, Stills foi convidado para uma sessão com Hendrix na Record Plant em Nova York. Stills incendiou a sessão com uma música que Joni Mitchell havia recentemente composto, intitulada Woodstock. Ao lado de Hendrix e Buddy Miles, o trio foi o primeiro a gravar uma versão para a música - meses antes de Crosby, Stills, Nash & Young lançarem sua popular versão da canção composta por Mitchell. Stills também contribuiria com $20 Fine, uma música original que traz Hendrix em múltiplas guitarras, Mitchell na bateria, Stills no órgão e nos vocais principais e Duane Hitchings (Buddy Miles Express) no piano.

Outra das impressionantes criações da banda que aparecem no álbum é Jimi Hendrix e Johnny Winter na guitarra, apoiados por Billy Cox e o baterista Dallas Taylor of Crosby, além de Stills e Nash & Young. Um trecho de sua interpretação de Things I Used To Do, de Guitar Slim, foi inicialmente escutado como parte de um programa sindical de rádio de 1990, mas aqui é apresentado na íntegra, recém-mixado por Eddie Kramer especialmente para Both Sides of the Sky. Em Georgia Blues, Jimi se reencontra com seu antigo colega de banda Lonnie Youngblood (vocalista/sax) de seus dias pré-fama como membro da Curtis Knight & The Squires. Primeiramente apresentada como parte da coletânea de 2008, Martin Scorsese Presents the Blues, mas fora de estoque por quase uma década, esta gravação especial está mais uma vez disponível para os fãs de Hendrix em todo o mundo, em todos os formatos de áudio.

Both Sides of the Sky foi produzido por Janie Hendrix, John McDermott e Eddie Kramer. Kramer foi engenheiro de gravação de todos os álbuns de Jimi Hendrix durante sua vida. Para preservar a integridade e a continuidade do legado do artista, essa mesma equipe foi a responsável pela produção de todos os lançamentos de produções de Hendrix desde 1996.

Janie Hendrix, Presidente e CEO da Experience Hendrix L.L.C. comentou: "temos um crescente compromisso de preservar o legado de Jimi e também de continuar a dar a seus fãs ao redor do mundo lançamentos de qualidade. É isso que Both Sides of The Sky reflete ... nosso contínuo compromisso. Em um sentido mais profundo, é a manutenção de uma promessa. Jimi e eu prometemos que cuidaríamos um do outro. Através de sua música e da nossa preservação de seu trabalho, meu irmão e eu honramos essa promessa. Estamos agora em nossa terceira década cuidando dos criativos trabalhos de Jimi e nossa determinação em manter a integridade do que ele nos deixou ficou ainda mais forte com o tempo".

Este também é o propósito do envolvimento de Eddie Kramer e sua devoção ao projeto. Ele falou: "a verdadeira casa de Jimi foi o estúdio. Era onde a música e a magia aconteciam. Ele amava gravar e tem sido um prazer e uma honra fazer parte desse processo tanto antes, com Jimi, como agora".

Tracklist:

1) Mannish Boy*
2) Lover Man*
3) Hear My Train A Comin'*
4) Stepping Stone*
5) $20 Fine*+
6) Power Of Soul^
7) Jungle*
8) Things I Used to Do#
9) Georgia Blues++
10) Sweet Angel*
11) Woodstock*+
12) Send My Love To Linda*
13) Cherokee Mist*

*Inédita
^ Versão estendida inédita
+Com Stephen Stills
#ComJohnny Winter
++Com Lonnie Youngblood

Produzido por Janie Hendrix, Eddie Kramer e John McDermott para Experience Hendrix, L.L.C.



Fonte: Sony Music

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Guitarrista do Marillion desembarca, esta semana, em SP e RJ, com repertório especial




O renomado Steve Rothery promete emocionar aos fãs de São Paulo e Rio de Janeiro com a execução de clássicos do lendário grupo de rock progressivo, além de tocar o belo disco solo “The Ghosts of Pripyat” na integra

STEVE ROTHERY, uma das personalidades mais importantes da história do rock progressivo mundial, faz duas apresentações especialíssimas da turnê “Ghosts & Garden Parties” no Brasil nesta semana.

Acompanhado da formidável THE STEVE ROTHERY BAND, o famoso guitarrista toca em São Paulo (06/12 – Carioca Club) e Rio de Janeiro (07/12 – Teatro Rival) para executar dois sets imperdíveis: um com material do belo disco solo “The Ghosts of Pripyat” (2014) e outro exclusivamente com músicas raramente tocadas ao vivo da era “Fish”, do Marillion.

Os ingressos para ambas as performances continuam à venda pelo site Clube do Ingresso (http://www.clubedoingresso.com/thesteverotheryband | http://www.clubedoingresso.com/thesteverotheryband-rj) e pontos autorizados pela empresa em São Paulo, Rio de Janeiro, Barueri, Carapicuíba, Curitiba, Jandira, Osasco, Santo André, São Caetano do Sul e São Jose do Rio Preto, que você pode conferir pelo site do Clube do Ingresso. Mais informações nos serviços.


O guitarrista britânico STEVE ROTHERY é mundialmente conhecido por integrar a banda de rock progressivo Marillion, desde sua formação original de 1979. Seu modo de tocar combina o feeling e a melodia com técnica refinada, que resulta em riffs e solos fortemente técnicos, emotivos e reflexivos.

Suas principais influências vem de expoentes como Jeff Beck, David Gilmour, Andrew Latimer e Larry Carlton. Seus solos mais exaltados pelo público são os das músicas “Easter”, “Sugar Mice”, “This Strange Engine”, “Lavender”, “100 Nights”, “Incubus”, “Chelsea Monday”, “Ocean Cloud”, entre outros.

Em 2001, ROTHERY foi eleito o melhor guitarrista da cidade de Yorkshire, o maior condado histórico da Inglaterra, em enquete desenvolvida pela revista inglesa Total Guitar. STEVE ROTHERY também é integrante da banda de folk rock britânica The Wishing Tree.



Confira abaixo “Incubus” do Steve Rothery Band:


SERVIÇO SÃO PAULO

Overload orgulhosamente apresenta The Steve Rothery Band
Data: quarta-feira, 6 de dezembro de 2017
Local: Carioca Club – www.cariocaclub.com.br
End: Rua Cardeal Arcoverde, 2899 – próximo ao Metrô Faria Lima
Abertura da casa: 19h30 | Showtime: 21h
Evento: Facebook

Classificação etária: 16 anos

Estacionamento: locais próximos sem convênio
Estrutura: ar-condicionado, acesso para deficientes, área para fumantes e enfermaria

# SETORES/VALORES

– Pista: R$ 120,00 (meia-entrada/promocional*)

– Camarote: R$ 180,00 (meia-entrada/promocional*)

*O ingresso promocional antecipado é válido mediante a entrega de 1 kg de alimento não-perecível na entrada do evento.

# COMPRA PELA INTERNET – Clube do Ingresso
# PONTO DE VENDA: Bilheteria do Carioca Club
# Pontos de venda autorizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Barueri, Carapicuíba, Curitiba, Jandira, Osasco, Santo André, São Caetano do Sul e São Jose do Rio Preto – Clube do Ingresso

SERVIÇO RIO DE JANEIRO
Overload orgulhosamente apresenta The Steve Rothery Band
Data: quinta-feira, 7 de dezembro de 2017
Local: Teatro Rival Petrobras
End: Rua Álvaro Alvim, 33 – Centro
Hora: 19h30 (abertura dos portões) | 21h (showtime)
Evento: Facebook
Censura: 18 anos

# SETOR/VALOR:
– Pista: R$ 120,00 (meia-entrada/promocional*)
– Mezanino: R$ 180,00 (meia-entrada/promocional*)

*O ingresso promocional antecipado é válido mediante a entrega de 1 kg de alimento não-perecível na entrada do evento.
# COMPRA PELA INTERNET – Clube do Ingresso
# PONTO DE VENDA (sem taxa de conveniência): loja Sempre Música do Catete (R. Corrêa Dutra, 99 – Loja 216 – Catete) e loja Scheherazade (Rua Conde de Bonfim, 346 – Loja 209 – Tijuca)
# Outros pontos de venda autorizados: São Paulo, Rio de Janeiro, Barueri, Carapicuíba, Curitiba, Jandira, Osasco, Santo André, São Caetano do Sul e São Jose do Rio Preto – Clube do Ingresso

**** Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei;
***** A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais;
****** É expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras profissionais ou semi-profissionais.

 

 

Fonte: Imprensa do Rock

 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Os canadenses do We Are Wolves trazem seu electro-punk ao Brasil


FOTO: Divulgação
Depois de uma década de existência, 5 álbuns lançados e mais de 500 shows pela América do Norte, Europa e, até mesmo na China, a banda baseada em Montreal, We Are Wolves, finalmente vem à América do Sul. De 26 de novembro a 6 de dezembro, o trio trará sua inventiva mistura de electro-dance e noise-punk, pela primeira vez na carreira, para os seus fãs chilenos e brasileiros.

Através da iniciativa do SODEC Québec créatif, os três artistas visuais que, primeiro se tornaram músicos, se apresentarão no Pulsar Festival, na vibrante cidade de Santiago, de 26 a 28 de novembro, e na sequência vão para Valdívia para o Fluvial Fest, de 30 de novembro a 1º de dezembro. A última parada da banda será o Brasil, onde participam da SIM São Paulo de 7 a 8 de dezembro.

O mais recente álbum do We Are Wolves, Wrong, conta com um som mais ensolarado, pop e mesmo dramático para a banda, algo que eles apenas ensaiaram antes. Depois de uma frutífera e ampla carreira, a banda está mais madura e confiante do que nunca; Wrong é prova que esses lobos ainda estão à caça!

Até lá você pode conferir o clipe dirigido por Jérémy Saindon para a faixa I Don’t Mind, que a banda descreveu como uma estranha mistura entre Bee Gees usando ácido e a frieza sinistra de David Lynch.

SÃO PAULO
Data: 08 de Dezembro – SIM (Sao Paulo, Brasil)
23h

Assista I Don’t Mind:

Fonte: Universo do Rock
 

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Judas Priest divulga capa e pequeno trecho de faixa de álbum que será lançado em março


 Judas Priest - Reprodução da capa do disco "Firepower" 
O Judas Priest divulgou a capa do novo álbum que será lançado no primeiro trimestre de 2018. A arte, que pode ser conferida ao lado, relembra alguns traços de algumas capas que marcaram a carreira da banda britânica de heavy metal.

Além da capa, o Judas Priest liberou no YouTube um pequeno trecho, de 16 segundos, de uma das faixas do disco, provavelmente, a que dá nome ao novo disco.

“Firepower” é o nome do álbum, que deve chegar aos fãs em março, sem ainda uma data exata de lançamento.

Este será o 18º disco de estúdio do Judas. Sucederá o elogiado “Redeemer of Souls”, que foi lançado em 2014.


Até o fechamento deste texto, os nomes das faixas do álbum novo ainda não haviam sido divulgados.

Em contrapartida, a banda vem anunciando datas de shows que envolvem turnê pelos Estados Unidos e o Canadá entre março e abril de 2018.

Para o Brasil, não há, por enquanto, datas divulgadas. A última passagem do grupo por aqui foi em 2015, quando o Judas tocou em dois dias do Monsters of Rock, em São Paulo. Na ocasião, os shows  contaram com os melhores do festival na capital paulista.


Veja abaixo o teaser que traz um trecho de música do novo disco do Judas Priest.

 


Fonte: Rock Reverso



Ozzy Osbourne no Brasil: veja preços, datas e locais dos shows


FOTO: Paulo Cassio/UDR
No dia 28 de novembro, começou a venda para o público em geral para os shows de despedida do Ozzy Osbourne no Brasil. As vendas começam a partir das 00h01 do dia 28 de novembro pela internet e 10h nas bilheterias oficiais (sem taxa de conveniência – Citibank Hall, em São Paulo; FNAC, em Curitiba; no Km de Vantagens Hall BH, em Belo Horizonte; e no Km de Vantangens Hall RJ, no Rio de Janeiro) e pontos de venda espalhados pelo Brasil.

Em sua turnê mundial, que será de despedida, OZZY OSBOURNE – Cantor e compositor membro do Rock & Roll Hall of Fame e vencedor do Grammy® – festejará mais de cinco décadas como artista (solo e vocalista do Black Sabbath, formado em 1968). Esta turnê, que irá levar OZZY pelo mundo todo, com datas até 2020, marcará o fim de turnês mundiais para o artista lendário, embora ele continue realizando shows em lugares pontuais.

“As pessoas ficam me perguntando quando eu vou me aposentar”, disse OZZY. “Essa será minha última turnê mundial, mas eu não posso dizer que não farei alguns shows aqui ou ali”.
 
A turnê começará em 2018, com um show no México e depois partirá para a América do Sul, onde OZZY se apresentará em três países.

Para essas datas, OZZY será acompanhado pelos colaboradores de longa data Zakk Wylde (Guitarra), Blasko (Baixo), Tommy Clufetos (Bateria) e Adam Wakeman (Teclados).

SERVIÇOS:
SÃO PAULO (SP)
Data: Domingo, 13 de maio de 2018.
Local: Allianz Parque – Rua Turiassú, 1840 – Perdizes – São Paulo – SP
Abertura dos Portões: 16h
Horário do show: 21h30
Ingressos: A partir de R$ 130
Classificação etária: De 10 a 15 anos permitida a entrada acompanhado de responsável. A partir dos 16 anos é permitida a entrada desacompanhada.
Valores:
CADEIRA SUPERIOR R$ 130,00 R$ 260,00
PISTA R$ 180,00 R$ 360,00
CADEIRA INFERIOR R$ 220,00 R$ 440,00
PISTA PREMIUM ELO R$ 340,00 R$ 680,00
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

CURITIBA (PR)
Data: Quarta-feira, 16 de maio de 2018
Abertura dos Portões: 16h
Apresentação: 21h
Local: Pedreira Paulo Leminski – R. João Gava, 970 – Abranches – Curitiba – PR
Ingressos: A partir de R$ 160 (ver tabela completa)
Classificação etária: De 10 a 15 anos: Permitida a entrada acompanhado dos pais ou responsáveis legais. A partir dos 16 anos: Permitida a entrada desacompanhados.
Valores
PISTA R$ 160,00 R$ 320,00
PISTA PREMIUM ELO R$ 300,00 R$ 600,00
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

BELO HORIZONTE (MG)
Data: Sexta-feira, 18 de maio de 2018
Local: Esplanada do Mineirão – Av. Antônio Abrahão Caram, 1001 – Pampulha, Belo Horizonte/MG
Abertura dos Portões: 16h
Horário do show: 21h
Ingressos: A partir de R$ 150
Classificação etária: De 10 a 15 anos permitida a entrada acompanhado de responsável. A partir dos 16 anos é permitida a entrada desacompanhada.
Valores:
PISTA R$ 150,00 R$ 300,00
PISTA PREMIUM ELO R$ 300,00 R$ 600,00
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

RIO DE JANEIRO (RJ)
Data: Domingo, 20 de maio de 2018
Local: Praça da Apoteose – Passarela do Samba Prof. Darcy Ribeiro – Sambódromo/RJ
Abertura dos Portões: 16h
Horário: 20h30
Ingressos: A partir de R$ 175 (ver tabela completa)
Classificação etária: De 10 a 13 anos é permitida a entrada acompanhado de um responsável. A partir de 14 anos é permitida a entrada desacompanhado.
Valores:
PISTA R$ 175,00 R$ 350,00
PISTA PREMIUM ELO R$ 340,00 R$ 680,00
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv 



Fonte: Universo do Rock
http://parnaibatotalrock.com/

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Iron Maiden anuncia turnê "Legacy Of The Beast" pela Europa

 
Após o tour global do último disco The Book Of Souls, o Iron Maiden voltará para a estrada em 2018 com uma série de shows em arenas e festivais na Europa.  A abertura do Legacy Of The Beast World Tour será em em Tallinn, na Estônia, em 26 de maio e o último show será no O2 Arena, em Londres, em 10 de agosto. A lista completa de datas está abaixo e espera-se que o passeio continue em 2019.

Maio
26 Saku Arena, Tallinn, ESTÔNIA
28 Hartwall Arena, Helsínquia, FINLÂNDIA

Junho
01 Tele2 Arena, Estocolmo, SUÉCIA
03 Dahls Arena, Trondheim Rocks, NORUEGA
05 Royal Arena, Copenhaga, DINAMARCA
07 Sweden Rock Festival, Solvesborg, SUÉCIA
09 Rockavaria, Königsplatz, Munique, ALEMANHA
10 Expo Plaza, Hannover, ALEMANHA
13 Waldbuhne, Berlim, ALEMANHA
16 Firenze Rocks, ITÁLIA
17 Novarock Festival, Nickelsdorf, ÁUSTRIA
20 Aeroporto de Letnany, Praga, REPÚBLICA TCHECA
22 Graspop, Dessel, BÉLGICA
24 Hellfest, Clisson, FRANÇA
26 Geneva Arena, Genebra, SUÍÇA
Festival de 28 Volts, Sopron, HUNGRIA
30 Messegelaende, Freiburg, ALEMANHA

Julho
01 Gelredome, Arnhem, HOLANDA
05 AccorsHotel Arena, Paris, FRANÇA
09 San Siro Ippodromo, Milão, ITÁLIA
10 Hallenstadion, Zurique, SUÍÇA
13 Altice Arena, Lisboa, PORTUGAL
14 Wanda Metropolitano Stadium, Madrid, ESPANHA
17 Piazza Dellà Unita D'Italia, Trieste, ITÁLIA
20 Rockwave Festival, Atenas, GRÉCIA
22 Hills Of Rock, Plovdiv, BULGÁRIA
24 Zagreb arena, Zagreb, CROATIA
27 Tauron Arena, Cracóvia, POLÔNIA
31 Metro Radio Arena, Newcastle, INGLATERRA

Agosto
02 Arena SSE, Belfast, IRLANDA DO NORTE
04 Exhibition & Conference Centre, Aberdeen, SCOTLAND
06 Manchester Arena, Manchester, INGLATERRA
07 Genting arena, Birmingham, INGLATERRA
10 O2 Arena, Londres, INGLATERRA

O conceito para a Legacy Of The Beast World Tour foi inspirado no jogo de celular do Iron Maiden e no comic book de mesmo nome e o design do palco contará com uma série de "mundos" diferentes, mas interligados, com um set list definido cobrindo uma grande seleção de material dos anos oitenta com algumas surpresas de álbuns posteriores para adicionar diversidade.

A banda Killswitch Engage será convidada especial da Maiden em shows europeus de 26 de maio a 1 de julho e no Reino Unido de 31 de julho a 10 de agosto. Convidados em outros shows serão anunciados em breve.


Fonte: ironmaiden.com
http://parnaibatotalrock.com/

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Queens Of The Stone Age lança clipe de “The Way You Used To Do”

 
Depois de ser lançado com exclusividade pela Apple Music, o Queens Of The Stone Age disponibilizou o satânico e divertido clipe de “The Way You Used To Do” para todos.

Escrito por Joshua Homme, dirigido por Jonas Akerlund e produzido por Serial Pictures, “The Way You Used To Do”, apresenta um sonho doentio com a extravagância de um ritual satânico dançante que só o Queens of the Stone Age poderia apresentar para o igualmente diabólico e contagioso primeiro single de seu novo álbum, Villains.


Joshua sobre a colaboração única com Akerlund:
 
“Dançar e headbangear são expressões verdadeiramente individuais de se perder plenamente na apreciação musical. Quem mais para combinar estas duas coisas em uma visão singular do que a pessoa que dirigiu os vídeos da Madonna e Lady Gaga – e que também faz parte do Bathory?” – Joshua Homme.

Veja o vídeo completo:

A colossal turnê de Villains termina 2017 com uma apresentação no próximo mês e com ingressos esgotados no KROQ Almost Acoustic Christmas, e a banda estará pronta para destruir 2018 com as datas confirmadas que já estão todas à venda, exceto Austin, que a venda começa hoje, 17 de novembro. Para saber tudo sobre a turnê fique ligado em qotsa.com  



Fonte: Universo do Rock
http://neohardcoreacademia.blogspot.com.br/
 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Saxon confirma única apresentação no Brasil em maio

 

O Saxon, um dos nomes mais cultuados do movimento NWOBHM (New Wave of British Heavy Metal), acaba de confirmar oficialmente único show no Brasil em 2018. O grupo inglês se apresenta, no dia 3 de maio, no palco da Tropical Butantã, em São Paulo. O show faz parte da turnê mundial do tão aguardado novo álbum Thunderbolt, que será lançado em fevereiro do ano que vem. Ingressos já à venda. Mais informações abaixo.

Como este será o único show de Biff Byford (vocalista), Nibbs Carter (baixista), Nigel Glockler (baterista), Paul Quinn (guitarrista) e Doug Scarratt (guitarrista), espera-se que o setlist seja bastante especial assim como ocorreu em todas as últimas passagens do grupo pelo Brasil.

Os ingressos para esta performance estarão disponíveis, a partir desta quinta-feira (16/11), pelo site da Ticket Brasil (www.ticketbrasil.com.br) e pontos autorizados pela empresa na capital paulista, Santo André, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, Barueri, Osasco, Sorocaba, S. João da Boa Vista, Rio Claro, Jundiaí e Campinas. Mais informações no serviço abaixo.

Thunderbolt novamente manteve a parceria de sucesso com o renomado produtor Andy Sneap, que já trabalhou com outros grandes nomes como Megadeth, Exodus, Testament, entre outros.

Este trabalho traz 12 poderosas composições, que tem todos os predicados para superar a bela repercussão conquistada com os álbuns Sacrifice (2013) e Battering Ram (2015). Os singles Nosferatu, Predator, Sniper e a faixa-titulo são bons exemplos do que está por vir. Além disso, o tracklisting ainda conta com They Played Rock And Roll, música escrita e dedicada ao Motörhead.

A banda gravou mais de 20 discos, sendo que oito chegaram ao UK Singles Chart e estabeleceram-se como um dos maiores grupos de metal dos anos 1980. Ao longo da carreira, eles já venderam mais de 20 milhões de cópias de álbuns e influenciaram inúmeros artistas como Metallica, Mötley Crüe, Pantera, Sodom, Skid Row e Megadeth.


SERVIÇO SÃO PAULO

Top Link Music e Rádio & TV Corsário orgulhosamente apresentam Saxon
Banda convidada: Armored Dawn
Data: 3 de maio de 2018
Local: Tropical Butantã - www.tropicalbutanta.com.br [8]
End: Av. Valdemar Ferreira, 93 (200m do Metrô Butantã)
Abertura da casa: 19h30
Evento FB: https://www.facebook.com/events/1191829920949267 [9]
Infoline: 11 3031-0393
Classificação etária: 16 anos. Entre 14-16 anos somente acompanhado por pai ou mãe munidos de documentos
Estacionamento: locais próximos sem convênio
Estrutura: ar-condicionado, acesso para deficientes, área para fumantes e enfermaria


SETORES/VALORES (1º lote)
- PISTA MEIA/PROMOCIONAL*: R$ 100,00
- PISTA VIP MEIA/PROMOCIONAL*: R$ 180,00
- CAMAROTE MEIA/PROMOCIONAL*: R$ 240,00

*_O ingresso promocional antecipado é válido mediante a entrega de 1 kg de alimento não-perecível na entrada do evento_.

# COMPRA PELA INTERNET – www.ticketbrasil.com.br [10]
Formas de Pagamento: dinheiro, cartões de crédito e débito Visa, MasterCard, American Express e Diners Club

# PONTOS DE VENDA AUTORIZADOS: São Paulo, Santo André, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, Barueri, Osasco, Sorocaba, S. João da Boa Vista, Rio Claro, Jundiaí e Campinas (http://www.ticketbrasil.com.br/ondecomprar [11])

**** Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei;

***** A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais;

****** É expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras profissionais ou semi-profissionais.




Fonte: The Ultimate Press
parnaibatotalrock.com/

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Obituary: gigantes do Death Metal retornam a São Paulo no sábado

No próximo sábado, 18/11, o Obituary toca em SP, no Fabrique Club (R. Barra Funda, 1075 – próximo a Clash Club), depois de 2 anos sem se apresentarem por aqui.

A banda disponibilizou para venda, 20 entradas de Meet & Greet. Para adquirir, acesse o link abaixo (R$80,00 + ingresso para o show!):
https://ticketbrasil.com.br/show/5480-obituary-saopaulo-sp/ingressos/

Quem for ao show, e doar 1 quilo de ração (para cães ou gatos), estará concorrendo a um Meet & Greet – que será sorteado no local.  As doações serão entregues para a ONG Arca dos Bichos, de Mairiporã/SP, que está necessitando muito de doações (para cada quilo doado, será entregue um número, que será sorteado antes do show dos americanos)

Embora essa iniciativa seja da produção local, muitos não sabem que o baterista do Obituary, Donald Tardy é engajado em causas animais (quase sempre com resgates de gatos!). Recentemente ele esteve envolvido num episódio que estampou diversos sites, quando o furacão Irma causou muitos estragos na Florida. Donald abandonou o abrigo e se meteu no meio do furacão, em meio salvamento de um gato, passando por granes apuros.

No domingo passado (12/11), o programa “Pegadas de Andreas Kisser” da 89FM, entrevistou o baterista Donald Tardy, que falou sobre a expectativa para os shows, e sobre seu trabalho com o resgate de gatos na Flórida. Ouça, aqui:
https://soundcloud.com/user-912278236/pegadas-12-11-17-drowned-donald-tardy-obituary-e-project-46

A banda é considerada como um dos maiores nomes do Death Metal, e retornam ao Brasil, para divulgar seu novo álbum, o auto intitulado, “Obituary”, seu décimo álbum de estúdio.
Para mais informações sobre o show, siga a página do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/1512708178788109/

Formado em 1988, na Flórida, o Obituary é responsável por pérolas como “Slowly We Rot” (88), “Cause Of Death” (90) e “The End Complete” (92).

“Obituary” lançado no início de 2017 traz as características dos primeiros trabalhos, e já é considerado um dos melhores de sua discografia.

A formação do Obituary traz os irmãos John Tardy (vocal) e Donald Tardy (bateria), Trevor Peres (guitarra), Terry Butler (baixo, ex-Death, ex-Six Feet Under, ex-Massacre) e Kenny Andrews (guitarra)
Assista o vídeo de “Tem Thousand Ways To Die”, divertida animação que foi lançada neste ano:


SERVIÇO:

TC7 Produções e Live Co. orgulhosamente apresentam:
OBITUARY lançando seu novo álbum em São Paulo

Dia 18/11 – Sábado
Horário: 19h

Local: Fabrique Club (Rua Barra Funda, 1075 – Barra Funda – São Paulo *próximo do Terminal da Barra Funda e da Clash Club)

Ingressos já à venda:
https://ticketbrasil.com.br/show/5480-obituary-saopaulo-sp/


Pontos de venda de ingressos:

São Paulo:
Mutilation – Galeria do Rock: Rua 24 de Maio, 62 - Centro de São Paulo - loja 370. Tel.: 11 3222-8253

Santo André:
Metal Music: Rua Álvares de Azevedo, 159 - Santo André - SP.





 


Autor: Luciano Piantonni
Fonte: Lanciare Comunicação

Via: Agenda Metal 

http://parnaibatotalrock.com/

 

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Project46: Confira as atrações confirmadas no”46fest III”

 

A banda Project46 vem promovendo o show de lançamento de seu novo álbum intitulado “TR3S”, que compõe o show principal do projeto “46FEST III” no dia 3 de dezembro, no Tropical Butantã, em São Paulo.

As bandas Trayce e Ponto nulo no céu foram recentemente adicionadas ao line up do evento e chegam para somar neste grande encontro da nova geração do metal nacional.

A banda Project46 gravou o álbum “TR3S” com o produtor Adair Daufembach em seu estúdio em Los Angeles e promete oferecer uma sonoridade inovadora dentro do estilo do grupo.


SERVIÇO SÃO PAULO:
46FEST III – show de lançamento do novo álbum do Project46
Os ingressos estão à venda no site da Ticket Brasil e custam de R$ 45,00 até R$ 120,00.

Line-Up:

Project46 (Lançando o novo álbum ‘TR3S’)

Ponto nulo no céu
Trayce
Banda ESCOLHA P46 (SUA BANDA NO 46FEST III)
Banda MAIS VOTADA (SUA BANDA NO 46FEST III)
Participe do concurso: https://goo.gl/6e8xC1

INGRESSOS:
Online no site da TicketBrasil
Valores:
Pista Meia – Lote 1 – R$ 45,00
Pista Promo – Lote 1 – R$ 46,00
Pista Promo + CD – Lote 1 – R$ 60,00
Pista Inteira – Lote 1 – R$ 90,00
Camarote Open Bar – Lote 1 – R$ 100,00
Camarote Open Bar + CD – Lote 1 – R$ 120,00
Local: Tropical Butantã ()
Cidade: São Paulo/SP
Endereço: Av. Valdemar Ferreira, 93 – Butantã
Horário: A partir das 16hs

Classificação: 16 anos

Fonte: Imprensa do Rock

 

Arquivo do blog